sexta-feira, 1 de janeiro de 2016

Substituir gordura animal por vegetal pode aumentar o risco de mortalidade!


Substituir gordura animal por vegetal pode aumentar o risco de mortalidade!
Estudo mostra que ambos os alimentos devem ser consumidos com moderação.
A gordura saturada ou de origem animal é conhecida por aumentar os níveis de colesterol total e de triglicérides, favorecendo a ocorrência de doenças cardiovasculares. A gordura poli-insaturada ou de origem vegetal, por outro lado, reduz o colesterol ruim e pode atuar na prevenção do diabetes, o que leva muitas pessoas a pensar que a substituição da primeira por vegetal traria apenas benefícios. Entretanto, um estudo publicado ontem no British Medical Jornal mostrou que a simples troca pode ser prejudicial.

A descoberta faz parte da revisão de um trabalho realizado com mais de 400 homens de 30 a 59 anos entre 1966 e 1973 na Austrália. Os participantes já haviam sofrido problemas cardíacos e foram divididos em dois grupos. Um deles recebeu a orientação de reduzir o consumo de 
gordura saturada para menos de 10% das calorias ingeridas por dia e aumentar a poli-insaturada com óleo vegetal e margarina de seis para 15% das calorias diárias ingeridas. O outro grupo manteve a dieta usual.

Os resultados mostraram que os homens que aderiram ao 
óleo vegetal tiveram uma mortalidade mais alta do que os demais. Isso mostra que não basta rotular os tipos de gordura como bons ou ruins, é preciso consumir tanto uma como a outra com moderação. Mesmo o ômega 3, famoso por sua ação anti-inflamatória no corpo, deve ser consumido dentro de um padrão estabelecido para não causar prejuízos.

Especialistas recomendam limitar o consumo de ambas as gorduras a 10% das calorias diárias e sempre consultar um nutricionista para definir o melhor cardápio para cada indivíduo. A seguir, veja como os diferentes tipos de gordura atuam no corpo e entenda a sua importância na dieta:

Cérebro

As gorduras compõem cerca de 60% do cérebro e não podem faltar numa dieta de quem deseja ter memória afiada e raciocínio rápido. A nutricionista Fabiana Honda, de São Paulo, explica que a maioria dessas gorduras são ácidos graxos poliinsaturados, como o ácido araquidônico e o ácido decosahexanóico (chamado de DHA, um tipo de ômega 3). "O equilíbrio entre ômega-3 e ômega-6 protege a estrutura responsável pela transmissão do estímulo de um neurônio para o outro", afirma o nutrólogo Roberto Navarro, de São Paulo, lembrando que o ideal é igualar o consumo destes dois ômegas. 

"O ômega-3 pode aumenta o número de sinapses (conexões entre os neurônios), uma vez que o DHA está presente na constituição da mielina, responsável pela transmissão de impulsos nervosos. Mais estudos estão sendo realizados para confirmar o potencial dessa gordura na prevenção e melhora do Alzheimer e da depressão", diz Fabiana. O ômega-3 é encontrado peixes de águas frias e profundas como salmão, arenque, sardinha e atum. O ômega-6 aparece nos ovos, no leite, nas carnes vermelhas e no óleo de girassol, por exemplo. 

Funcionamento das células

Toda célula é recoberta por uma membrana de gordura. "A membrana celular define os limites da célula e atua como uma barreira, controlando o que entra e o que sai da célula. Essa seleção é importante para que o metabolismo funcione adequadamente", explica a nutricionista Fabiana Honda. Os fosfolipídios, encontrados na soja e nos ovos, são os principais componentes das membranas celulares, junto às gorduras poli-insaturadas, também encontradas na linhaça. 

Ossos

Embora não haja relação direta entre o consumo de gorduras e os ossos, elas são essenciais para a absorção de vitamina D, nutriente essencial para a absorção e fixação de cálcio nos ossos. 

Circulação

Segundo o nutrólogo Navarro, o vaso sanguíneo sofre influência direta do tipo de gordura que comemos. "Uma dieta rica em ômega-3 melhora a circulação sanguínea, porque esta gordura tem poder desinflamante e diminui a pressão nos vasos sanguíneos". Protegendo a saúde dos vasos, a circulação é facilitada, o que beneficia tanto a saúde do coração quanto a do cérebro, pois há melhora da irrigação sanguínea.  

Coração

Estudos comprovam que gorduras poli-insaturadas, como o ômega-3, diminuem a concentração de colesterol LDL (mau colesterol), além de possuírem efeito anti-inflamatório, diminuindo os riscos de doenças cardiovasculares. Por isso a importância do consumo das gorduras presentes nos peixes como atum, arenque, sardinha e salmão e na linhaça. Óleos vegetais (girassol, canola, soja) também são ricos em Omega 6. Alguns deles suportam temperaturas mais altas, podendo ser usadas em frituras (como é o caso do óleo de soja), mas prefira utilizá-los crus, em saladas, por exemplo. 

A nutricionista também lembra a importância de consumir gorduras monoinsaturadas, como a do azeite de oliva. Segundo ela, o consumo desse tipo de gordura diminui as taxas de LDL e aumenta as de HDL, o bom colesterol. "Seu consumo inibe a formação de coágulos e a produção de óxido nítrico, importante agente regulador da pressão arterial", afirma.

Pulmões

O liquido surfactante pulmonar é 90% composto de gordura, principalmente saturada. Esse líquido é essencial para manter o funcionamento dos alvéolos, estruturas responsáveis pelas trocas gasosas da respiração. A gordura saturada é encontrada em alimentos protéicos de origem animal como carnes, frango, peixes, ovos e leite, além do óleo de coco. 

Rins

Estudo de pesquisadores da Universidade Federal do Paraná mostrou que a gordura ômega-3 é uma competente reguladora das funções renais. Segundo Fabiana, o ácido aracdônico - um tipo de gordura ômega-6 -, ao ser metabolizado, está relacionado a melhorias na função renal, proporcionando melhoras em quadros de dano glomerular (glomérulo é a região dos rins onde acontece a filtragem do sangue), em várias formas de insuficiência renal aguda e/ou crônica, nefrotoxicidade (efeito venenoso de algumas substâncias, tanto químicos tóxicos como medicamentos, sobre os rins) e nefropatia diabética (doença dos rins que ocorre em pacientes com diabetes). 

Hormônios

Para que os hormônios sejam produzidos normalmente, o consumo de gorduras é essencial?
O organismo necessita de uma quantidade mínima para fazer a síntese hormonal. Por outro lado, o excesso de gordura saturada provoca desequilíbrios na secreção dos hormônios. Assim, as gorduras saturadas devem representar apenas 7% do total de calorias ingeridas diariamente. 

Transporte de vitaminas

As vitaminas A, D, E e K são chamadas de lipossolúveis. Isso quer dizer que elas apenas são absorvidas no sistema digestivo quando se ligam à gordura que ingerimos em nossa dieta. "Essas vitaminas só conseguirão entrar no sangue junto à gordura", diz Navarro. Mas não precisa ser a gordura aparente da carne, fontes mais saudáveis, como azeite de oliva, óleo de coco e fontes de ômega-3, como linhaça e peixes de águas profundas, cumprem bem este papel. 
Fonte: Site Minha Vida

Participe! Deixe seu comentário!